Dicas de escritaEscrevendo um livroVendendo o seu livro

5 Erros comuns na autopublicação

Autopublicação significa essencialmente ser o teu próprio editor, designer, tipógrafo e agente de marketing – para não mencionar o fato de que também tens que escrever o teu livro. Como tal, vais ter que calçar diferentes sapatos, a maioria dos quais provavelmente nunca calçaste antes. Para muitos autores iniciantes, isso pode parecer um pouco avassalador. Afinal, como podes ter certeza de que estás no caminho certo? Para ajudar a esclarecer qualquer dúvida que possas ter, reunimos uma lista de 5 erros cometidos por autores no seu processo de autopublicação , para que tu os consigas evitar!

1. “É o conteúdo do meu livro que importa”

Bem, não estás enganado. O conteúdo é a chave, e será o que determinará o sucesso do teu livro a longo prazo. No entanto, muitas vezes, vemos que autores que fazem deste o seu mantra acabam por negligenciar gravemente os elementos mais superficiais, mas de importância vital, como o design da capa, a formatação e os textos de promoção bem escritos. A ironia é que, sem colocar esforço no exterior do teu livro, as pessoas nunca verão o interior. É um pouco como namorar – é o interior que importa, mas é preciso ajeitar o exterior para deixar as pessoas curiosas sobre as coisas importantes.

Agora, as competências necessárias para estas coisas podem não estar todas na tua zona de conforto. No entanto, é definitivamente possível criares um livro de qualidade profissional (tanto em termos de conteúdo como de exterior) sem necessariamente ter qualquer experiência. Para começar, recomendamos que faça uso do Canva para criar uma capa excelente, gratuitamente. Vamos dar-te alguns links úteis ao longo deste artigo, e podes sempre consultar o nosso Centro de Ajuda e blog para mais dicas, truques e guias.

2. Ignorar críticas e/ou comentários

Uma das grandes vantagens sobre a autopublicação de um livro é que tens a liberdade de escrever sobre temas e tópicos que tendem a ser inexplorados pela literatura profunda. Esses temas podem ser temas que as editoras tradicionais não tocarão por medo de não obterem retorno sobre o seu investimento, ou géneros de nicho com bases de fãs muito apaixonadas. Isso pode, às vezes, levar os autores a tornarem-se um pouco superprotetores das suas ideias e ignorarem qualquer crítica ou feedback, construtivo ou não – geralmente em detrimento do produto final.

Não nos entendas mal – não estamos a dizer que deves ser um vendido ou comprometer tua identidade criativa. Se não estiveres satisfeito com o livro, não vale a pena escrevê-lo em primeiro lugar. No entanto, autopublicação também significa auto-edição (para a maior parte dos autores), e isso requer uma certa perspectiva. É por isso que sempre recomendamos que, pelo menos, duas pessoas de tua confiança leiam e comentem o teu trabalho antes de publicares.

Isto é especialmente verdade se estás a esperar vender os teus livros depois de serem publicados. Ter pessoas a ler e a escrever resenhas sobre o teu livro antes da publicação pode ajudar a eliminar alguns dos erros mais evasivos, furos no enredo, ou elementos indesejáveis da história que provavelmente seriam avistados por outros leitores também. Além disso, ter o teu livro completamente revisto também aumentará as chances de que ele tenha uma boa pontuação numa revisão oficial do livro, que é algo que deves tentar obter o mais rapidamente possível.

3. O meu público-alvo é toda a gente

Ouvimos isto muitas vezes. Parece haver algum mal entendido generalizado sobre o tema dos públicos-alvo, para que servem e porque são importantes.

Em primeiro lugar, vamos tirar o equívoco mais comum do caminho: ter um público-alvo não significa que esse público seja o único que vai comprar o teu livro. Se definires teu público-alvo como jovens entre 15 e 20 anos, isso não significa que estejas a desencorajar ativamente as pessoas fora dessa faixa etária de comprar teu livro. Tudo o que significa é que estás a adaptar a tua escrita, os teus temas e a tua estética para a tornar mais apelativa à tua escolha demográfica. É para garantir o foco temático e a consistência estética no teu trabalho. Isto é importante, porque dá identidade ao teu livro.

Então, porque é que a identidade é importante? Bem, há algumas razões. Em primeiro lugar, ajuda as pessoas a categorizar o teu livro mentalmente. As pessoas geralmente têm uma ideia clara do que gostam de ler, e tendem a procurar livros semelhantes com base nessas preferências. Então, quando alguém está tentar preencher o vazio dos livros do Senhor dos Anéis deixados para trás, pode ser útil teres definido o teu livro como fantasia. É essencialmente um atalho para as opções de compra das pessoas pré-selecionadas.

Em segundo lugar, ter a identidade do teu livro e público-alvo definido ajuda-te imensamente nas tuas estratégias de marketing. A segmentação de anúncios e a redação de cópias são muito mais fáceis se os temas e a estética do teu livro forem tidos em conta. As pessoas vão ter muito mais facilidade em encontrar o teu livro se ele se encaixar em categorias que correspondem às suas pesquisas, gostos e interesses.

4. Pensar que não preciso de marketing

O marketing é, geralmente, o que os autores que autopublicam um livro pela primeira vez têm mais dificuldade em fazer. Afinal, a maioria dos escritores não se querem tornar autores devido a um amor por marketing. No entanto, este é um dos componentes mais vitais para o sucesso de um autor autopublicado.

Infelizmente, muitas vezes vemos escritores a fazer apenas um esforço simbólico para promoverem os seus livros, ou pior ainda, a ignorá-lo completamente e a pensar que os leitores interessados o vão encontrar sozinhos. Embora isso possa ser o caso para alguns deles, a grande maioria dos teus potenciais leitores não será capaz de encontrar o teu livro no meio de todo o barulho que existe na internet, hoje em dia. Além disso, mesmo que os leitores interessados tenham encontrado o teu livro por conta própria, realmente queres perder as centenas de potenciais vendas de livros que uma campanha de marketing bem desenhada te pode render?

Se não sabes nada sobre marketing de livros, sugerimos que consultes o nosso guia de promoção do teu livro. Nós também temos um artigo no blog dedicado especificamente ao marketing do teu livro nas redes sociais. Se estás interessado em ler sobre o marketing de um livro a partir da perspectiva de outro escritor auto-publicado, nós também temos conteúdo feito para ti.

Essencialmente, deves começar a promover o teu livro antes que ele seja publicado, fazer alguma pesquisa sobre o teu público-alvo e, escolher os teus canais de comunicação de acordo eles. Há uma série de abordagens diferentes que podes tomar dependendo do contexto, mas os três artigos acima mencionados devem oferecer-te um bom começo.

5. Assumir que as pessoas não gostam do teu livro

A menos que tenhas feito alguma pesquisa séria e trabalho de marketing antes da publicação, a maior probabilidade é que vai demorar algum tempo até as tuas vendas de livros descolarem. Muitos escritores interpretam erroneamente este início lento como uma indicação de que o teu livro é um fracasso, universalmente odiado por todos, e depois desistem de escrever.

É uma verdadeira tragédia quando isso acontece, porque na maioria das vezes um pequeno empurrão extra é tudo o que é necessário para veres melhorias quase instantâneas nos números de vendas. Dito isto, é fácil ver como um lançamento morno de um livro pode desmoronar um pocinho os sonhos e aspirações de um autor. Estamos aqui para te dizer que isso é perfeitamente normal e que não te deves sentir derrotado por isso. O teu livro não é, de certeza, a questão aqui. Pelo contrário, o problema é que as pessoas simplesmente não sabem que o teu livro existe. Se leres os pontos anteriores que abordamos neste artigo, já deves ter uma ideia muito boa de como isso pode ter acontecido.

Normalmente, a resposta é que precisas gastar mais tempo e esforço em marketing. No entanto, pode valer a pena pedir a mais pessoas que te deem feedback sobre o teu livro, tanto em termos de conteúdo como de capa, para ver se há algo que possas mudar para o tornar mais apelativo para um público mais vasto. No entanto, isso não vai acontecer da noite para o dia, por isso não fiques desanimado com um começo lento. Continua assim, e espalha a palavra.


Esperamos que tenhas gostado deste artigo, e que te tenha ajudado no caminho de identificar erros na autopublicação, para te tornares um autor que irá evitá-los! Se tiveres algum comentário ou pergunta, sente-te à vontade para nos deixar um comentário abaixo, ou envia-nos um e-mail para info@bookmundo.pt. Boa sorte com o teu livro!

Menu