PublicaçãoPublicando-seTermos de publicação

Dez perguntas que você deve fazer a si mesmo antes de publicar um livro

A autopublicação de um livro é o último passo de um longo, e muitas vezes árduo, processo. A Bookmundo está aqui para ajudar-te com isso, mas também damos grande importância ao que vem antes da publicação, como a qualidade da capa e do manuscrito. Já estamos na vanguarda da autopublicação há algum tempo, por isso vimos muitos livros entrando e saindo, com resultados variados. Com isso, pegamos algumas questões comuns que podem impactar a popularidade do teu livro. Estas questões servem de inspiração para este post e viemos te dizer o que fazer antes de publicar o teu livro.

Neste artigo, vamos cobrir dez das perguntas mais importantes que deves fazer a ti mesmo(a) antes de publicares o teu livro. Se podes dar respostas satisfatórias a todas elas, então deves estar pronto para puxar o gatilho desse botão “publicar”!

A tua primeira frase é convincente o bastante?

Uma boa capa pode atrair alguém para pegar e abrir o teu livro. Quando o fizerem, é muito provável que seja a primeira frase da tua história que eles examinem antes de decidirem se o compram ou não. Uma primeira frase bem escrita e bem pensada aumentará assim a tua atractividade aos olhos dos leitores. Veja, por exemplo, esta cativante linha de abertura:

“Alguém deve ter caluniado Josef K., por uma manhã, sem ter feito nada de verdadeiramente errado, foi preso.” – O Julgamento, Franz Kafka

O trabalho de Kafka tem resistido ao teste do tempo por muitas razões, mas uma delas é certamente a sua capacidade de criar uma linha de abertura intrigante. Ele não perde tempo tentando facilitar o seu mundo narrativo, ao invés de optar por nos arrastar à força para lá. O repentino modo com que somos empurrados para esta cena tão dramática é provavelmente bastante reminiscente do que o próprio protagonista deve sentir quando acorda uma manhã, apenas para ser de repente preso.

O que se pode dizer é o seguinte: alavanca as emoções de teus leitores, e faz com que eles se façam algumas perguntas intrigantes que eles têm que continuar lendo para encontrar as respostas. Neste exemplo, Kafka cai num medo comum para muitas pessoas; ser acusado e preso injustamente. Muitas perguntas surgem na tua mente quando lê esta linha – quem é Josef K.? O que é que ele fez ou não fez? Ele é realmente inocente? Quem o está a prender? Se a hipótese do narrador está correcta, quem o difamou, e porquê?

Poderias simplificá-lo ainda mais – como Andy Weir (que é um autor autopublicado, aliás!) fez para a primeira linha de O Marciano:

“Estou praticamente fodido.”

A terça finalidade desta linha de abertura prende a atenção do(a) leitor(a) imediatamente. Não só queremos saber porque o narrador está tão certo da sua situação, mas o uso de uma linguagem obscena efetivamente abala a mente – transformando um(a) leitor(a) meramente curioso(a) em um(a) que está ativamente interessado(a). Frases curtas e impactantes fazem boas linhas de abertura.

Esboça uma visão geral da tua história e identifica os pontos mais importantes da trama. Já desenvolveste esses pontos o suficiente ao longo do livro?

Ao contrário da crença popular, na maioria das vezes, uma grande reviravolta não é um bom enredo! Como autor(a), é importante pensar adiante com relação ao teu enredo, e os pontos de enredo contidos nele. Faz uma cronologia clara do teu enredo e marca teus pontos de enredo em cores – podes até mesmo criar um esquema codificado por cores para diferenciar entre diferentes tipos de pontos de enredo, ou aqueles pertencentes a personagens específicos.

Este pequeno exercício irá ajudar-te a visualizar a tua história, e identificar secções onde os desenvolvimentos importantes são demasiado escassos, ou demasiado frequentes. Em geral, aconselhamos que não uses mais do que dois pontos de enredo principais em teu livro.

Também deves pedir a um amigo ou familiar que leia a tua história. Se puderes contar com a opinião honesta deles, terás uma visão valiosa sobre o ritmo, a clareza e o nível de dificuldade do teu livro. Confere o nosso artigo sobre leitores beta e como podem ajudar-te nesse processo de publicação do teu livro.

Há alguma reviravolta no enredo ou no personagem na tua história?

Lembra-te quando, há alguns parágrafos atrás, dissemos que uma grande reviravolta não faz necessariamente um bom enredo? Bem, isso também não significa que deves evitar uma boa reviravolta de vez em quando.

Naturalmente, as reviravoltas não são o único factor determinante do sucesso quando se trata de escrever um bestseller. No entanto, elas definitivamente ajudam a capturar a atenção de um(a) leitor(a) e alojar teu livro em sua memória – algo que definitivamente queres como um(a) autor(a) autopublicado(a).

Um método testado desde o início para conseguir este efeito é criar um(a) personagem relatável, para quem o(a) leitor(a) desenvolve simpatia, só para depois ter dito que o(a) personagem faz algo que está em desacordo com esta personalidade simpática. Por exemplo: uma dona de casa entediada que está a planear um assassinato, ou um professor de química do ensino médio que decide se tornar um barão da droga.

De que ponto de vista narrativo a tua história é escrita? Estás te agarrando a ela durante todo o livro?

A perspectiva a partir da qual escreves o teu livro determina como o(a) leitor(a) vivencia a tua história. Um problema comum que vemos em muitos manuscritos autopublicados é que os autores alternam entre diferentes pontos de vista narrativos, o que tende a confundir os leitores e a dificultar a sua imersão na história. Alguns autores têm experimentado usar pontos de vista alternados (com diferentes graus de sucesso), mas nós tendemos a recomendar que se mantenha um único, a menos que a tua visão exija absolutamente o contrário.

Abaixo, encontrarás uma lista dos diferentes pontos de vista narrativos; determina de qual deles teu livro é escrito, se é apropriado para a história e se estás usando-o consistentemente ao longo do livro.

Perspectivas de Terceira Pessoa

Tradicionalmente a perspectiva mais comum; envolve uma entidade não especificada que retransmite ao leitor o enredo e os personagens de uma história. Como esta entidade narradora não está envolvida na história, não há necessidade de fornecer qualquer informação sobre ela. Existem dois tipos principais de perspectivas de terceira pessoa:

  • O narrador omnisciente:

Neste modo de narração, o narrador da história está ciente de tudo o que se passa no mundo; eventos, lugares, personagens e seus sentimentos.

  • O narrador limitado:

Como o nome indica, este modo de narração oferece uma perspectiva mais limitada da história em terceira pessoa, normalmente fornecendo apenas informação baseada no conhecimento, pensamentos e sentimentos do(a) personagem principal.

A Perspectiva de Segunda Pessoa:

Esta perspectiva é muito rara, especialmente na ficção popular. Essencialmente, serve para transformar o(a) leitor(a) (ou mais frequentemente, o público) em um(a) personagem da história.

A Perspectiva da Primeira Pessoa:

Este ponto de vista é para aqueles que realmente querem convidar os seus leitores para a cabeça da sua personagem principal. Como sabes, a perspectiva em primeira pessoa revela a história através dos olhos de um personagem que a está experimentando em tempo real, ou já a experimentou no passado.

A Perspectiva Alternante:

Como mencionado anteriormente, este ponto de vista pode ser complicado. No entanto, se quiseres contar a tua história tanto da perspectiva da terceira como da primeira pessoa, podes! Por exemplo, podes querer contar tua história de um ponto de vista de terceira pessoa, mas incluir lançamentos de diário escritos pelos próprios personagens de tempos em tempos.

Tem em mente que a perspectiva alternada requer mais vigilância – o fio pode ser facilmente perdido neste modo narrativo, especialmente se as perspectivas se alternarem com frequência!

Conseguiste um bom equilíbrio entre os tempos de narrativa?

Escreverias um romance de mil páginas cobrindo um período de cinco minutos? Provavelmente não. É por isso que é importante considerar o equilíbrio entre os tempos de narrativa. Este conceito refere-se à duração da narração em si, ou seja, quanto tempo leva para transmitir a história, e também à duração dos acontecimentos de que somos informados.

Encontrar um equilíbrio entre estes dois é uma parte importante para tornar o teu livro agradável e fácil de ler. Isto significa que se vais escrever uma história com tempo longo de narração, mas curto tempo narrado, vais ter que fornecer informações mais profundas sobre as ocorrências, e vice-versa.

A tua frase final deixa o(a) leitor(a) a querer mais?

Como autor(a), és o(a) mestre da tua própria história; decidir se terminas o teu livro com um final aberto ou fechado é uma prerrogativa tua. No entanto, um bom final deve mover o(a) leitor(a). Quer seja como resultado de surpresa, tristeza, reverência, alegria ou qualquer outra emoção, queres obter uma resposta forte. Se conseguires isso, então o(a) leitor(a) se conectou com teus personagens, e tiveste sucesso. Podes ver a última linha da tua história como uma espécie de despedida, e como todos sabemos, uma boa despedida ficará contigo por muito tempo. Esta é apenas mais uma razão pela qual é tão importante ter leitores beta como um autor autopublicado.

A estrutura do seu manuscrito complementa a da sua história?

A formatação do teu manuscrito funciona como um rastro de migalhas de pão para os teus leitores. É por isso que é importante garantir que a estrutura da tua história esteja claramente exposta no teu livro. É aqui que normalmente entram os capítulos.

Por exemplo – a tua história contém perspectivas alternadas? Diferentes linhas de tempo? Lotes complexos como estes beneficiariam de títulos de capítulos que fornecem alguma informação extra, como o nome do(a) personagem de cuja perspectiva a história está a ser contada, ou a data do relato. Isto tornará a tua história muito mais fácil de seguir. Se a tua história é cronológica, por outro lado, podes simplesmente contentar-te com capítulos numerados.

Além disso, vale a pena saber que a maioria das pessoas tende a ler um capítulo ou dois, antes de guardar o livro por alguns dias; é mais incomum parar de ler o capítulo na metade. Portanto, a duração do capítulo é importante. As pessoas tendem a preferir a leitura de segmentos de texto mais curtos e estruturados, em vez de se arrastarem por páginas sobre páginas de prosa ininterrupta. Em outras palavras, os capítulos dão aos teus leitores algum tempo para respirar e refletir. Além do mais, com a ajuda de um aliciante cabide no final do seu capítulo, podes compelí-los a continuar virando essas páginas.

Portanto, ao dividir tua história em capítulos, tem em mente que eles devem ser como pequenas histórias em si mesmos. Isto significa que a primeira e última linhas de um capítulo são semelhantes à primeira e última linhas da tua história como um todo, em termos de função. Como tal, o teu objectivo é terminar um capítulo de uma forma que faça o(a) leitor(a) querer mais.

A capa do teu livro complementa a tua história?

Vamos tirar algo do caminho de uma vez por todas: não precisas ser um designer gráfico profissional para fazer uma capa bonita e representativa para o teu livro. Se decidires desenhar tua própria capa (e não fores um(a) designer gráfico(a)), lembra-te que menos é mais. Quando desenhares tua capa, queres apontar para uma cozinha escandinava em vez de uma catedral mediterrânea. Uma imagem bonita e clara com uma fonte elegante funciona muito melhor do que uma imagem ocupada com uma fonte esquisita.

Isto é uma regra, não um mandamento inquebrável. Afinal, és um(a) autor(a), então pensar fora da caixa é parte de quem és. Tem em mente, no entanto, que os livros autopublicados são muitas vezes julgados de forma muito mais dura do que os seus equivalentes tradicionais. Como tal, queres imitar o visual e o sentimento de um livro publicado tradicionalmente, tanto quanto possível.

O título do teu livro aparece com demasiada frequência na tua história?

Um bom título não deve ter que ser reiterado em todos os capítulos do teu livro. Em vez disso, o(a) leitor(a) deve naturalmente começar a compreender o seu significado à medida que avança na história.

Vê, por exemplo, O Jardineiro Constante, de John le Carré. É um título um tanto ambíguo; a que diabos o autor estaria se referindo? Certamente não é um livro inteiro sobre um jardineiro a tempo integral – especialmente porque está na seção de thriller? Uma vez que o(a) leitor(a) tenha decidido experimentar o livro, ele(a) não encontrará este termo em nenhum lugar nele. Ao invés disso, a metáfora da jardinagem surge neles, à medida que eles trabalham na trama.

Claro, também podes optar por um título mais acessível. Tem em mente que é suposto encapsular o ambiente e a sensação da tua história. Idealmente, também deve ser intrigante o suficiente para despertar alguma curiosidade. Como tal, não é algo que se queira espalhar liberalmente ao longo do enredo. No final do livro, o título deve equivaler a um entendimento tácito entre tu e teu(ua) leitor(a).

Será que a tua sinopse chama a atenção de um potencial leitor em 10 segundos?

Já fizeste uso das dicas descritas acima? Nesse caso, não te esquece de dedicar algum tempo para escrever um discurso atraente e tentador. Dessa forma, podes maximizar o número de pessoas que decidem ler esse teu incrível rascunho final.

Escrever um esboço não é tão fácil como pode parecer. Como autor(a) do trabalho, pode ser difícil construir um texto que intriga um(a) leitor(a) em potencial sem revelar muito do enredo. Tenta apenas reavivar o início do teu enredo, sem introduzir demasiados caracteres. Só queres fazer cócegas no interesse do(a) leitor(a) para que ele(a) se divirta com a ideia de comprar teu livro.

Além disso, se já publicaste livros antes, pode ser interessante adicionar algumas resenhas para acompanhar a tua sinopse. Contacta um revisor (ou vários) que tenha avaliado os teus livros anteriores, e envia-lhes uma cópia da resenha. Se for o teu primeiro livro, ou se não quiseres adicionar as partituras das resenhas, talvez queiras considerar adicionar uma citação cativante do livro. Escolhe uma citação que encapsule a atmosfera do teu livro em não mais do que cinco linhas.

Então, e agora?

É isso – se tens tudo mencionado neste artigo sob controle, deves estar mais do que pronto(a) para te autopublicar e vender teu livro! Esperamos que estas dicas te tenham ajudado no teu caminho para te tornares um(a) autor(a) autopublicado(a). Se tens alguma ideia ou sugestão para este artigo, sente-te à vontade para deixar um comentário!

Além disso, se tiveres alguma dúvida sobre a plataforma em si, ou se estiveres interessado(a) em contratar alguma ajuda profissional com qualquer coisa relacionada à publicação do teu livro, não hesita em contactar-nos em info@bookmundo.pt antes de publicar!

Boa sorte!

Menu