Non classifié(e)

Autores da Bookmundo: Carlos Arinto

A plataforma Bookmundo oferece a oportunidade aos autores de autopublicarem os seus livros. O nosso objetivo sempre foi esse, mas algo que tinha vindo a faltar é saber quem são esses autores que publicam connosco. E este blog é, também, dedicado justamente a isso: ouvir a perspectiva dos autores da Bookmundo. Recentemente, tive a oportunidade de conversar com um de nossos autores, que nutre uma enorme paixão e amor pela escrita e leitura! Carlos Arinto já publicou mais de 3 livros através da nossa plataforma. 

As obras de Carlos são realmente para quem gosta de ler, sem ficar aborrecido! As suas palavras elaboraram crônicas, poemas e relatos, através de uma escrita fantástica e cativante! Agora, vou deixar que as palavras de Carlos expliquem um pouco mais sobre quem ele é como pessoa e escritor. Vamos descobrir um pouco mais sobre a sua vida e a sua experiência a publicar na Bookmundo.

Conta-nos um pouco sobre ti, fatos que gostarias de compartilhar!

  • Nasci na Serra do Açor, região centro de Portugal. Neto de lavradores, cujo bisavô, ainda só possuía o nome “Arinto”, por alcunha, uma vez que era produtor desta casta de uva. O meu avô já tinha “Arinto” no nome e assim continuou pelas gerações fora.
  • A minha família sofreu uma migração de Lisboa para o interior porque as serras, as águas e os ares eram saudáveis e por indicação médica, o meu tetravô foi-se desterrar nas montanhas que ficam próximas da Serra da Estrela. Três gerações depois, o movimento seria em sentido contrário, das serras para Lisboa, depois da Segunda Guerra Mundial (do volfrâmio, da fome e da miséria provocada pelo pós-guerra). Nasci ali, mas vivi, desde o meu primeiro ano de vida, em Lisboa.
  • Percurso profissional na área financeira, na comunicação, como jornalista e comentador, no marketing e no pequeno empresariado.
  • Um filho, que vive no Reino Unido, casado, pois claro, e com boa saúde (que é o principal, segundo dizem)
  • Relacionamentos na área cultural ao longo da vida, no teatro, na música: fiz parte da organização dos primeiros festivais de jazz e rock em Cascais. Tenho amigos que são excelentes pintores e outro – porque só existe um – que faz vitrais maravilhosos.
  • Gosto de conhecer o mundo, de “saber mais”, de fazer jardinagem e cuidar das árvores e plantas, gosto de uma boa conversa e de apreciar a beleza. Gastrónomo exigente e caminhante.

Desde quando começaste a escrever?

  • Sempre me interessei pela escrita e os meus professores da escola diziam que eu tinha facilidade em escrever. A primeira edição aconteceu em 1972, com um pequeno livro de poesia (escrita de adolescente). Depois escrevi uma peça de teatro e algumas histórias que se perderam. Fui lendo e escrevendo ao longo da vida, guardando para mais tarde publicar. Depois surgiram as antologias (livros coletivos) onde participei em 50.

Conta-nos sobre o processo de criação de teus livros. 

  • Tenho sete livros publicados e todos têm uma motivação diferente. Cada autor é um diamante em bruto a ser dilapidado. Trabalho e muito trabalho, dominar a língua e escolher temas universais, ou particulares que possam entusiasmar um leitor. Optei pelo “conto” porque é de fácil leitura e não aborrece, como algum romance que “nunca mais termina, sem nada acrescentar”. Também optei pela poesia porque gosto. Escolhi pelo intimismo e pela narração porque acho adequado a um estilo que considero ser o meu, com dose de originalidade capaz de se distinguir dos restantes autores.

Como foi a tua experiência de autopublicação através da Bookmundo?

  • A autopublicação liberta-nos dos constrangimentos das editoras que estão interessadas em ganhar dinheiro, mas não fazem a promoção do livro, nem do autor. É claro que a autopublicação exige que o autor tenha alguém para fazer a revisão do texto (fundamental), a paginação e a composição gráfica, mas são etapas que se ultrapassam, sem estarmos dependentes da vontade de terceiros.
  • Editei numa pequena editora até chegar à Bookmundo, onde foi fácil editar. A principal dificuldade é na criação da capa, pois é uma arte que não dominamos (embora exista ajuda na página da Bookmundo). A Bookmundo é rápido na entrega dos livros ao autor e aos seus leitores e isso é bom. Quem quer e gosta de escrever só tem que fazer duas coisas, mais uma: ler muito, escrever e publicar na Bookmundo (depois deixar que sejam os leitores a avaliar a qualidade e o mérito de cada qual).

Que conselho dás a alguém que quer começar a escrever o seu livro?

  • Aviso para um futuro escritor: sê modesto, mas escreve! Escreve para ti, mas também para ser lido! Cria hábitos e rotinas de escrita. Promove os teus livros fora do circuito dos amigos e dos familiares: esses já sabem quem tu és! Boas escritas.

Estas respostas dão-nos uma ideia da vida e do trabalho como autor de Carlos Arinto! A autopublicação sempre foi considerada significativa para nossa empresa justamente por isso, para termos a possibilidade de compartilhar vozes como a de Carlos. Ele é um autor experiente e os seus livros publicados demonstram justamente isto. Os seus livros publicados pela Bookmundo podem ser encontrados em nossa loja. E deixamos-vos abaixo a descrição de um de seus livros, com uma capa maravilhosa!

“Pequenos contos com temas muito diferentes. Para quem gosta de ler, sem se aborrecer. Crónicas de dias felizes. Histórias macabras e de pequena filosofia. Também o sexo, o amor e a vida com alguns mistérios e recomendações que podem surpreender. Confissões de amores e um relatório que nos conta angustias, tragédias, crimes, ilusões e alguma ficção quase cientifica.”

E finalizando este blog com palavras inspiradoras de Carlos!

“Um escritor não tem idade, a sua idade é a idade dos livros que escreve. Mais do que um escritor, considero-me um autor aguardando o veredito dos leitores para melhor me poder definir. E assim, a vida é!” – Carlos Arinto

Menu