Dicas de escritaEscrevendo um livroVendendo o seu livro

Como Escrever uma Sinopse Interessante

Porque é que as sinopses são tão importantes?

Se conseguiste atrair um potencial leitor para pegar no teu livro (ou obrir a sua página numa livraria online) graças a um título genial ou uma capa chamativa, a parte mais difícil já passou. A sinopse é, normalmente, o terceiro aspeto do teu livro que um potencial leitor inspeciona, depois da capa e do título. Se pensares nos dois primeiros aspetos como o currículo do teu livro, então podes comparar a importância de sinopses com uma entrevista de emprego ou um discurso de vendas.

Por outras palavras, quando alguém decide ler a tua sinopse, já conseguiste despertar o seu interesse. Agora é hora de transformar esse interesse em fascínio. Queres que eles fiquem tão intrigados que comprem o livro. Como sabes se o teu discurso é interessante ou não? Bem, embora no final das contas, se reduza à tua capacidade de escrita, há uma fórmula geral que podes usar para te colocar no caminho certo.

Vamos dar uma olhada na sinopse do bestseller Gone Girl da Gillian Flynn:

Quem és tu?
O que é que fizemos um ao outro?

Estas são as perguntas que Nick Dunne se faz na manhã do seu quinto aniversário de casamento, quando a sua mulher Amy desaparece de repente. A polícia suspeita do Nick. Os amigos da Amy revelam que ela tinha medo dele, que ela escondia segredos dele. Ele jura que isso não é verdade. Um exame policial ao computador dele mostra pesquisas estranhas. Ele diz que não foram feitas por ele. E depois há as chamadas persistentes no telemóvel dele. Então o que realmente aconteceu com a linda esposa de Nick?

É uma ótima sinopse, e para te ajudar a escrever uma igualmente boa, vamos desempacotá-la e elaborar uma fórmula geral. Primeiro, vamos ver como diferentes partes do texto alcançam o efeito desejado. Depois, vamos destilar as várias secções numa útil lista de verificação para que possas escrever a tua própria “sinopse bestseller”.

Porque é que esta sinopse funciona?

A primeira frase envolve o leitor ao encorajar a introspeção; “quem és tu?” é uma daquelas perguntas que não podemos deixar de considerar.

Quando o leitor chega à segunda frase e percebe que não é ele que está a ser abordado, é o tom sinistro de “o que fizemos um com o outro?” que o encoraja a continuar a ler; o que é que essas pessoas fizeram umas com as outras e quão mau pode ser, afinal?

A terceira frase, que estabelece a premissa da história, é o que sela o acordo. Ela apresenta ao leitor um mistério tentador e, combinado com as duas frases anteriores, indica segredos obscuros que estão à espera de serem descobertos, caso o leitor decida mergulhar na história. O resto da sinopse é praticamente a cereja no topo do bolo, terminando com uma pergunta que já se formou na mente do leitor: “O que aconteceu realmente à bela mulher do Nick?”.

Uma lista de verificação para a tua sinopse.

As duas primeiras frases: “Quem és tu?” e “O que fizemos um ao outro?” servem para estabelecer uma atmosfera de ligação com o conteúdo do livro, e aguçar o apetite do leitor. Em seguida, é introduzida uma situação: a mulher do Nick desapareceu, de repente. Logo em seguida, é nos apresentado um problema: a polícia pensa que foi Nick, e há provas contra ele. A sentença final traz então uma reviravolta: “o que realmente aconteceu?”, implicando que as coisas não são como parecem.

Agora que desembrulhamos completamente este problema, podemos identificar 4 componentes principais: a situação (1), o problema (2), a promessa de uma reviravolta (3), e a atmosfera (4). Os três primeiros componentes devem ser amarrados juntos na ordem em que os listamos, enquanto que a atmosfera pode ser introduzida ao longo do texto, e idealmente deve ser um efeito colateral natural da própria sinopse.

Finalmente, se o teu livro tem boas críticas públicas flutuando online, podes querer incluir algumas após a sinopse em si. Isto não é essencial e é provavelmente difícil para muitos de vocês, mas pode valer a pena considerar se estiveres a pensar publicar uma nova edição algures no futuro.

Deixa os leitores a desejarem mais

Sobre o tema da terceira componente da sinopse, a promessa de uma reviravolta, vale a pena saber que, no mundo da autopublicação, nunca se pode errar com um suspense. É uma das ferramentas mais eficazes que tens para gerar interesse e fazer com que as pessoas invistam o seu tempo e dinheiro no teu livro, ao invés de em outro qualquer. Isto também se aplica à tua sinopse. Depois de criares uma situação intrigante com um problema envolvente, tens que fazer a reviravolta valer a pena.

Mantém a tua sinopse curta, doce e suculenta

Outra boa regra geral é manter as frases curtas. Podes ter conseguido que alguém se interessasse o suficiente para começar a ler as tuas palavras, mas o mais provável é que o potencial leitor esteja a passar por o teu livro de qualquer maneira. Manter as tuas frases breves ajuda a manter o interesse do leitor enquanto mantém também a mensagem por de trás da tua sinopse trabalhada e coerente. Basta leres novamente para a sinopse de “Gone Girl” para perceberes sobre o que é que estamos a falar.

Apresentar no mínimo um personagem principal

Será muito mais fácil para um potencial leitor investir no teu livro se associar todos os estímulos emocionais com o seu personagem principal. Repara como, na sinopse de “Gone Girl”, os nomes não são apenas deixados lá soltos, mas sim colocados num contexto convincente. Nick não é apenas o nome do personagem principal de um livro, ele é o marido que está sob suspeita de assassinar a sua própria esposa enquanto alega que é inocente. Deves esforçar-te para fazeres o mesmo; tenta apresentar pelo menos um dos teus personagens principais de uma forma sucinta, mas interessante, para que as pessoas se preocupem com a tua história.

Mantém-te fiel ao teu estilo e ao teu público

A tua sinopse é uma janela para a tua história. Como tal, ela deve dar um vislumbre o mais autêntico possível do conteúdo. O desapontamento leva a más críticas, por isso certifica-te de que as pessoas que decidem comprar o teu livro o fazem pelas razões certas.

Também deves usar o mesmo estilo de escrita na tua sinopse que usas no teu livro.  Se a tua história utiliza uma narrativa em primeira pessoa, por exemplo, usa a mesma perspectiva no teu discurso. Além disso, não mudes drasticamente o teu tom empregando um vocabulário diferente. Novamente, isto é para manter a consistência e evitar que os leitores tenham surpresas desagradáveis.

Uma pequena hipérbole não magoa

Embora seja importante manteres-te fiel ao teu público e à tua voz, é de vital importância captar a atenção de um leitor e despertar a sua imaginação. A hipérbole é uma ferramenta útil para isso e, se usada com moderação, pode criar aquela sensação de excitação que vai obrigar um leitor a comprar o teu livro. Provavelmente todos nós já conversamos com um amigo sobre um livro, na esperança de convencê-los a lê-lo para que ter alguém com quem falar sobre ele. Esse é o tipo de efeito pelo qual queres lutar – fazer parecer que alguém que leu o livro e o adorou está a tentar explicar sobre o que ele é.

Evita clichês

As pessoas não têm tempo para ler livros maus. Na verdade, elas mal têm tempo para ler um discurso mau. Como tal, a menor indicação de que um livro vai ser pouco original pode fazer com que um possível leitor o abandone e passe para o próximo. Isto é especialmente verdade para livros autopublicados, infelizmente, devido à concepção errada de que não são “suficientemente bons” para serem “escolhidos” por uma editora tradicional.

Isto não significa que não devas escrever o teu drama do triângulo amoroso de vampiros, ou o teu thriller de terror sobre um polícia envelhecido, que abusa de substâncias e é obcecado com o caso que nunca conseguiu resolver. Só tens de ser esperto na forma como o apresentas. Usa a sinopse para sugerir uma reviravolta que dissipará clichês percebidos, ou evita focar o texto em elementos que seriam percepcionados como esses, focando, em vez disso, na dinâmica de personagens ou outros aspetos únicos da tua história.

Adiciona alguns excertos de resenhas

Embora envolva muito trabalho, esta é uma das situações em que os teus esforços podem ser recompensados. Incluir uma citação de uma resenha positiva de terceiros como parte da tua sinopse pode fazer maravilhas pela percepção da legitimidade do teu livro, especialmente se a fonte da resenha for um blog ou um site respeitável. Confere o nosso artigo sobre como fazer um pedido de resenha!

Relê e re-escreve!

O mesmo que com tudo o que escreves: após um primeiro rascunho, deixa-o descansar por um tempo e permite que teus pensamentos marinem um pouco. Se possível, pede a outras pessoas que o leiam e te deem feedback. Se fizeres isso, nós garantimos que vais querer reescrever algumas partes depois.


Aqui na Bookmundo esperamos que tenhas gostado deste artigo sobre a importância de sinopses e como escrevê-las, e que ele tenha conseguido ajudar-te no teu caminho. Se tens alguma opinião sobre o artigo, pensamentos a acrescentar, ou perguntas a fazer, deixa-nos um comentário abaixo! Ou, alternativamente, podes enviar-nos um e-mail para support@bookmundo.pt. Estamos sempre felizes em ouvir o teu feedback e responder às tuas perguntas.

Menu