Dicas de escritaEscrevendo um livro

Como desenvolver um hábito de escrita

6 Dicas para te ajudar a desenvolver um hábito de escrita

A inspiração é algo como um conceito elusivo. Como escritores, passamos muito tempo a persegui-la – o que é irónico considerando que a maioria de nós não tem hábitos de escrita concretos – a tentar agarrá-la, prendê-la e a extrair a sua essência para as nossas histórias. Afinal, a inspiração é a chave para tudo, não é? Como podemos escrever aquele bestseller com que sonhamos sem aquela faísca tão importante para acender as nossas ideias adormecidas?

Bem, a resposta é um pouco chata e desmotivante. Picasso afirmou que a inspiração existe, mas que ela tem que encontrar-te a trabalhar, e isso é realmente o longo e o curto prazo. O artista preguiçoso que não quer ter um “trabalho de verdade” é um estereótipo comum propagado por pessoas que tendem a pensar que o trabalho criativo tem tudo a ver com sentar-se e esperar que algum poder superior lhes diga o que devem pintar, escrever ou interpretar. Esta visão parece ter se infiltrado em nossa consciência coletiva a tal ponto que até mesmo alguns criadores parecem pensar que esperar por inspiração é o caminho para o seu trabalho.

Se te encontras em uma posição como esta, é importante sair dessa rotina. A inspiração não é uma entidade senciente misteriosa que escolhe se deseja ou não abençoar-te com a sua presença. É uma forma de energia mental que podes criar, um recurso que podes cultivar. Para fazer isso efetivamente, entretanto, vais precisar criar situações que sejam adequadas para produzir inspiração. É aqui que um hábito de escrita sólido vem a calhar; o aumento da produtividade facilita a inspiração, ao mesmo tempo que aumenta a probabilidade de estares no meio da escrita uma vez que a inspiração chegue.

Dito isto, passemos às dicas!

1. Escreve todos os dias (sim, todos os dias)

Portanto, esta primeira é bastante óbvia, mas muitas vezes é com ela que as pessoas mais lutam. Para conseguires que a tua produtividade seja elevada a bola de neve, tens de te forçar a dedicar pelo menos 15 minutos de cada dia à escrita – sem desculpas! Isto pode ser muito difícil quando começas, mas se continuares assim, este hábito de escrita se tornará tão integral na tua rotina diária quanto escovar os dentes. Isto não vai ser uma escrita digna de um Nobel, lembra-te, e não está destinado a ser. É tudo sobre fazer da escrita um comportamento natural para ti, abanar um pouco a velha caixa do cérebro e ver o que cai depois de um longo dia.

Estás preocupado(a) com o bloqueio de escritor(a)? Não estejas. Escreve o que te apetecer, o que te vier à cabeça, mesmo que seja uma algaraviada (ou vê o nosso artigo sobre como lidar com o bloqueio de escritor(a)). O aumento da produtividade e da reflexão vai suavizar o teu cérebro para aquele momento eureka(!).

2. Encontra o teu momento e local ideal para escrever

Para a maioria das pessoas, o mosh pit em um show de heavy metal não é um ótimo lugar para escrever um drama romântico da época. Para outros, pode ser o único lugar que funciona. Exagero à parte, dedica algum tempo e energia para descobrires onde escreves melhor. Pode ser um local padrão, sem descrição – como tua mesa de cozinha ou escrivaninha – ou tão clichê quanto tua cafeteria local. Podes escrever melhor à noite, ou logo após o almoço. Podes escrever coisas diferentes em lugares diferentes. Não importa; encontra o teu lugar e tempo e faz-o funcionar para ti.

Provavelmente já ouviste dizer que nós humanos estamos conectados para ver padrões e fazer associações, e isso não é diferente. Se um certo lugar tende a fazer-te escrever melhor, então faz um ritual de escrita lá. As chances são de começares a associar a prática com o lugar e criar um círculo virtuoso para ti mesmo(a). Podes até adicionar mais passos na mistura para personalizar ainda mais o teu ritual de escrita ideal; faz uma xícara de café, alimenta as tuas galinhas – o que funcionar!

3. Leva sempre contigo um caderno!

O universo não se importa com o teu ritual e hábito de escrita, e a inspiração não é uma ciência exacta. Por outras palavras, nunca se sabe que tipo de estímulos externos podem fazer com que o cérebro saia fora do teu tempo de escrita designado. É por isso que é sempre bom ter à mão um caderno (ou qualquer outro aparelho para tomar notas, embora escrever à mão funcione melhor na nossa experiência), no caso de a inspiração atacar.

4. Separa o processo de escrita em fases

Dividir um trabalho em várias tarefas menores é um aumento de eficiência já testado e podes aplicá-lo também à tua escrita! Embora cada um tenha o seu próprio processo e provavelmente possa dividir a carga de trabalho de forma diferente, tendemos a pensar nisso como três fases distintas. A primeira é listar as tuas ideias (talvez já tenhas algumas no teu caderno de confiança da dica 3?). A segunda é pegar uma ou mais dessas ideias e testá-las; expandir sobre a ideia e transformá-la em prosa (ou poesia, se é isso que estás a escrever). O último passo envolve a revisão e edição; passa para fora todas aquelas rugas que rastejaram enquanto estavas focado(a) em preencher a página.

A fase de edição é o único momento em que deves te preocupar com os detalhes técnicos da tua escrita. Lembra-te que podes sempre voltar e editar mais tarde, enquanto que como inspiração para escrever é fugaz. Prioriza de acordo.

5. Caçar activamente a inspiração

No final do dia, os escritores são observadores, examinando o tecido da nossa sociedade e tecendo essas observações numa narrativa para o resto de nós. Como tal, quanto mais observares, mais matéria-prima terás para construir a tua narrativa. Agora, para alargar o âmbito das tuas observações, tens que estar aberto a experiências.

Não leva a mal que pensemos que deves fugir e juntar-se à marinha ou algo parecido. O tipo de experiências de que estamos a falar são abrangentes e matizadas. Embora isso possa significar entrar para a marinha se estiveres tão inclinado(a), também pode ser tão simples quanto experimentar um novo ponto de vista, tomar um caminho diferente do trabalho para casa, ou tentar uma aula de yoga. Ao recolher observações, mantém uma mente aberta e dá à tua imaginação um reinado livre. Depois, leva essas observações de volta e usa-as para alimentar as sessões diárias de escrita que discutimos na dica 1.

6. Aprende a amar o processo

O processo de escrita pode ser cansativo e desmotivante às vezes, mas em última análise, as pessoas que o fazem como escritores são as que gostam do ato de escrever, não apenas do produto final. Isto não quer dizer que se não amas o processo de escrita, não estás destinado(a) a ser um(a) escritor(a), mas mais que deves aceitar o fato de que vais passar muito tempo batendo palavras no teclado. Como tal, é crucial que aprendas a encontrar prazer no próprio processo (se ainda não o fizeste) se quiseres mantê-lo a longo prazo.

Não vai funcionar o tempo todo. Vai haver contratempos, becos sem saída e dias ruins, mas se não gostas do ato de escrever apesar de todos os altos e baixos, qual é o objetivo de tudo isso?

Para terminar

Esperamos que este pequeno artigo te tenha ajudado a reflectir e talvez te tenha dado algumas ideias sobre como desenvolver um hábito de escrita, caso ainda não o tenhas feito. Se gostarias de explorar mais a fundo os meandros do processo de escrita, talvez queiras conferir nosso artigo sobre como escrever um manuscrito no Microsoft Word. Se estás a planear publicar, imprimir ou vender teu trabalho em um futuro próximo ou distante, sente-te à vontade para ir à página inicial da Bookmundo e criar uma conta gratuita no nosso serviço de publicação online que te permite fazer tudo isso e muito mais!

Menu